Lara's dreaming

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Portugal

Sou uma mulher transexual de Lisboa, Portugal, onde nasci e cresci. Neste espaço poderá encontrar pensamentos, reflexões e comentários inerentes à minha vida como mulher trans. Seja benvind@ ao meu cantinho.

segunda-feira, abril 21, 2008

Afinal, o que querem de mim?

Hoje de madrugada fui tomar um café à bomba de gasolina aqui ao pé de casa. A Lua Cheia estava linda e brilhante entre farrapos de nuvens. Comecei novamente a pensar no que querem de mim.

Quando refiro "o que querem de mim?" refiro-me a toda a gente, desde os meus pais e restante família próxima, que se encontra em Portugal, aos meus amigos, etc. Parece que toda a gente me cobra algo por ser quem sou. Parece que eu tenho que ser o que os outros gostariam que eu fosse.

Mas não é essa a realidade. A realidade é que sou uma mulher transexual, já com próteses mamárias, e isso não é algo que se esconda, como eles gostariam que fosse. Agora têm mesmo que se confrontar com a dura realidade.

E isso provoca, desde o Natal do ano passado um mal-estar, uma paz podre entre nós. O jantar de família foi absolutamente pavoroso. Parecia que havia algum mal em eu me sentir bem, pois todos os outros se sentiam mal, incomodados com a minha presença.

De tal maneira, que não fui ao jantar de aniversário da minha mãe, em Janeiro. Tenho pena, mas não posso pactuar com uma situação familiar que me desgasta, que me destrói. A minha mãe tenta nem sequer olhar para mim, quando fala comigo pessoalmente, o meu pai olha-me dos pés à cabeça com um olhar de desprezo e ódio. E isso para mim não dá.

Acho que só agora, passados quase oito anos desde o início do meu processo clínico, é que eles se aperceberam que eu nunca andei aqui a inventar e a brincar. E é triste que assim seja. Muito triste.

Quanto à cirurgia final, a de redesignação de sexo, a minha mãe já me pediu para não a fazer. Que me ia arrepender. Que não ia aguentar. Tentei explicar-lhe que logo se via, ainda faltava muito tempo nessa altura. Mas ela não entendeu, ou não quis entender. E eu, mais uma vez, senti-me uma estranha perante ela. Perante o meu pai. Dói. Dói muito saber e, principalmente, sentir, que as pessoas que mais importantes são para mim, me renegam o tempo inteiro. Por isso era impossível continuar a viver mais naquela casa. Por isso saí há mais de dois anos, para nunca mais voltar. Eles sabem que podem contar comigo, mas eu sei que não posso contar com eles. (Quando fui operada ao peito, nem uma visita deles tive no hospital, nem nunca me perguntaram se estava bem, se tinha corrido bem, etc).

Amigos. Amigos reduzem-se a tantos quanto a minha mão direita tem. Mas contacto pessoal só tenho com dois ou três. Os outros ficam-se pelos emails de forwards, e se não for eu a telefonar, nem nos meus anos se lembram de que eu existo. Isto porquê? Óbvio, não? Desde quando? Desde que me assumi como sou. Chegou ao ponto de eu encontrar um amigo de muitos anos num centro comercial, e ele, sabendo de tudo e deparando-se comigo como a mulher que sou, me cumprimentou com um aperto de mão. Caricato, né? Mas é a realidade.

Como a realidade é, segundo um amigo meu, "se te operares em baixo, encontrarás um homem para um relacionamento sério. Se não, só encontrarás quecas e sexo sem compromisso". Concluindo: very straight to the point.

E com este parágrafo termino por agora. Deixo-vos com o novo vídeo-clip de uma das minhas bandas de eleição, porque tristezas não pagam dívidas.
Enjoy.

The B-52's - "Funplex"

sábado, abril 12, 2008

Ausência


Postar é sempre um prazer, ou deveria ser. Mas nesta fase da minha vida, em que tudo está a mudar, pouco tenho a partilhar. Sendo assim, não me "obrigo" a postar e apenas o faço quando me sinto minimamente inspirada.

Isto apenas por respeito a quem aqui vem ler (e ver) o que escrevo (e as fotos, vídeos), para que saibam que, daqui em diante, serão mais raros os meus posts e, muito provavelmente, bastante diferentes dos anteriores.

Deixo-vos com dois vídeos dos Moloko, banda que eu sempre adorei, e que quero partilhar com vocês.

Enjoy.

Moloko - "Fun For Me"


Moloko - "Forever More"

terça-feira, abril 08, 2008

Identidades Trans

Um clip que tomei a liberdade de retirar do blog da Jó.
Clip de apresentação da P.A.R.I. T, uma associação para defesa das Identidades Trans francesa.

domingo, abril 06, 2008

4 Minutes


Pois é. Apesar dos dias de sol e da Primavera já ter começado, eis que surge novamente uma "nuvem escura" no céu, e voltamos aos agasalhos.

Mas com a Primavera vem uma sempre renovada Madonna, que juntamente com Justin Timberlake e companhia, nos traz "4 Minutes", primeiro single do esperado "Hard Candy".

Confesso que fiquei desapontada com este single. Faz-me lembrar os toques histéricos e ronronantes de um Michael Jackson de há uns anos, e Madonna surge apagada junto de Timberlake, sendo que a estrela deveria ser ela.

De qualquer das formas, e como fã incondicional desta verdadeira rainha da pop, aqui vos deixo o videoclip do single de apresentação. Madonna surge fabulosa, como (quase) sempre, e ninguém diria que a 16 de Agosto deste ano fará 50 anos.

Enjoy.

Madonna feat. Justin Timberlake - "4 Minutes" (official video)