Lara's dreaming

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Portugal

Sou uma mulher transexual de Lisboa, Portugal, onde nasci e cresci. Neste espaço poderá encontrar pensamentos, reflexões e comentários inerentes à minha vida como mulher trans. Seja benvind@ ao meu cantinho.

quinta-feira, abril 26, 2007

Isolamento...

Desde há muitos anos que, devido a sofrimentos e humilhações, tenho a tendência a sentir-me inferior aos outros. Menos bonita, menos trabalhadora, menos profissional, menos amada. E, ultimamente tive a percepção única dos momentos que passamos ao longo de uma vida tão sofrida: sentimo-nos desapontados, frustrados, despeitados, tanta, tanta coisa, às vezes em pequenos momentos.

Por mais que lute para pensar o contrário, sei perfeitamente que sou inferior às outras mulheres, Transexuais ou biológicas. E, independentemente de fazer ou não a cirurgia de redesignação de sexo, sentir-me-ei sempre inferior. Porque sou feia, magra como um fio de azeite, sem formas, com pêlos no rosto e corpo. Sei que tudo isto parece uma grande falta de auto-estima e amor-próprio. E provavelmente é.

O único "remédio" que eu encontro para aquilo que sinto é isolar-me. Estar em casa frente ao computador a escrever ou a pesquisar na net, a ver tv ou a dormir. Quando consigo. De resto só saio de casa para tomar um café, ou para me meter no carro e ir jantar a Lisboa. Evito todo e qualquer tipo de contacto com pessoas, essencialmente homens. Já tive a minha dose deles, e não estou interessada em me meter em situações de humilhação e infidelidade. Quanto aos seres que pululam as ruas, afasto-me. Quando saio só quero voltar para casa. É aqui que eu estou bem. Com as minhas letras, palavras, com a minha música, os meus DVDs.

E, antes de irem de fim-de-semana curtir uma praia ou um campo, caso o tempo assim o permita, vejam o vídeo que aqui vos deixo, da minha banda portuguesa do coração.

Beijokas da Lara-Só

The Gift - "Music"

sábado, abril 21, 2007

Piensa en mi...


Luz Casal
Piensa en mi
1991

"Si tienes un hondo penar, piensa en mi
Si tienes ganas de llorar, piensa en mi
Ya ves que venero tu imagen divina
Tu parvula boca, que siendo tan niña
Me enseño a pecar

Piensa en mi cuando sufras,
Cuando llores, tambien piensa en mi,
Quando quièras quitarme la vida
No la quiero, para nada
Para nada me sirve sin ti

Piensa en mi cuando sufras
cuando llores, tambien piensa en mi,
cuando quieras quitarme la vida
No la quiero, para nada,
para nada me sirve sin ti."

Ouvi esta música cantada por Luz Casal pela primeira vez no filme de Almodóvar "Tacones Lejanos", e marcou-me logo e profundamente. Não só pela cena em que o realizador a colocou, mas pela própria letra, que relata muito da minha vida, e provavelmente, da vida de muita gente. Quem nunca amou? Quem nunca sentiu que ia morrer de amor?

É natural que nas novas gerações, que se mostram muito mais conservadoras e desprovidas da capacidade de se envolverem mais profundamente, o que eu escrevi e a própria letra da música não façam sentido. Agora, quem é romântica/o como eu penso que se sentirá tocado mesmo não tendo visto o filme.

Queria apenas partilhar convosco esta letra, este poema da alma, que essencialmente me diz muito neste momento. Talvez pela carência, pela saudade do amor, por saber que poderia morrer de amor. Gostaria de vos deixar o vídeo desta canção, mas foi retirado do You Tube.

Beijo e bom fim-de-semana

Lara-Só

segunda-feira, abril 16, 2007

O sopro do coração...


O meu coração. Já bateu por tanto homem. Bate pelos meus pais. Bate pela minha pequenina, a minha sobrinha. Bate pelos meus amigos e amigas. Especialmente pela Eduarda que tem sido como uma irmã adoptiva para mim, uma companheira de aventuras e desventuras. De choros e sorrisos.

O meu coração bate por um homem? Por dois? Por três? Nem eu própria sei, pois ultimamente apareceram uns poucos "candidatos" (risos) a um futuro "namoro"... Será? Não namoro há tanto tempo que já nem sei como é. Enferrujei. E, além disso, envelheci e tornei-me mais esperta, menos ingénua e mais esquiva. Obviamente que quando me refiro a "candidatos" não é uma realidade real. É uma realidade minha, da minha parte. Da parte deles não sei. Além de que só namoraria com um. De cada vez, claro!

Pode parecer-vos irónica a minha forma de escrever neste post e a forma como me refiro a "esses homens". E é. Não invalida nada do que escrevi em posts anteriores em relação ao que penso dos homens. Além de que, se eles podem ter casos e quecas com trans todas siliconadas e boazonas, porque me iriam escolher logo a mim, ainda por cima para namorar a sério???

Não passam de conjecturas minhas, de desejos, de anseios. Talvez porque veja neles algumas das características que eu gostaria de encontrar num único homem. Mas não caio na ilusão de que a minha vida, nesse aspecto, vai mudar para melhor. Não tenho provas concretas que me permitam dizer que "A" ou "B" gosta de mim pelo que sou na totalidade física e psicológica. No fundo não tenho nada. Voltamos à estaca zero.

Ah, e daqui a dois meses certos faço 36 anos. Talvez aí ganhe mais juízo e me decida a ficar definitivamente sozinha. Eu e o meu Mundo.

Beijos de Lara-Só

quarta-feira, abril 11, 2007

Confessions...


Depois de uma Páscoa passada entre a mágoa de uma relação cada vez mais distante e fria com os meus pais, e de nem ter podido ver a minha sobrinha, decidi escrever este post que está dividido em duas partes. Uma dedicada a Madonna (não, não estou obcecada, mas sou hiper-fã dela, além de que a senhora ganhou mais uns louros para a sua carreira), e outra dedicada a mim e a esta fase de espera pela autorização da Ordem dos Médicos, que me está a pôr doente.

Em relação a Madonna, e depois da parceria com a H&M para a colecção de roupa feminina, eis que a rainha da pop ganhou mais dois prémios.
Madonna foi nomeada em duas categorias diferentes nos International Dance Music Awards deste ano e, não sendo surpresa para ninguém pela qualidade, ganhou o Best Dance Video com "Jump" (ver vídeo no final do post) e Best Dance Artist Solo.
Convém frisar que eu, apesar de fã da artista, não sou fundamentalista e sei distinguir o trigo do joio em relação aos trabalhos dela. Considero que a "The Confessions Tour" é um dos melhores espectáculos com que ela já nos brindou, apesar de não ter tido hipótese de ver aqui em Lisboa a "Re-Invention Tour". Ou seja, das tournés anteriores que tive oportunidade de ver (praticamente todas, em DVD óbvio) esta destaca-se pela escolha musical, pelos fabulosos figurinos de Jean-Paul Gaultier, e por toda a parafernália visual/musical do show.
Não há dúvida de que Madonna é como o Vinho do Porto: aos 48 anos está melhor que nunca.


E de Madonna passamos para mim, salvo-seja. Sinto que tinha muita coisa que escrever aqui, muita letra, muita palavra que me escorre dos dedos. São mágoas de muitos anos, dores minhas e só minhas, que partilhei, algumas, com um ou uma amiga íntima.
Antigamente ainda conseguia partilhar algo de mim com a minha mãe e/ou com a minha irmã. Em relação à minha mãe, tornou-se impossível o diálogo. Falo para uma parede fria, que apesar de eu saber que também sofre, não deixa de ser uma parede. Lágrimas correm-me e têem-me corrido por já não ser para ela a mesma pessoa que sempre fui. Porque sou. Mas ela apenas vê o meu exterior, e do "filho" já pouco ou nada resta. Não me reconhece. Eu não a reconheço. E o que me dói mais é saber que em pouco tempo (ela já tem 78 anos) a vou perder. Não suporto, nem quero suportar essa ideia. Como vou continuar a (sobre)viver emocionalmente sem a presença dela, mesmo que ausente? Como vou enfrentar a vida sem a minha melhor amiga, aquela que me carregou no ventre nove meses e me mimou, cuidou de mim quase toda a vida?

Quanto à minha irmã pouco ou nada há a dizer. Sempre foi uma irmã ausente, sei que cuidou juntamente com a minha mãe, de mim, quando era bebé e pequenina, mas revelou-se cínica e mesquinha. Inicialmente confiava nela e ela, supostamente, dava-me todo o apoio para a minha transição. Hoje sei que nem sequer nos meus anos me telefona e que me considera um travesti de ponta de esquina. Mas não é por me considerar um travesti que ela me magoa, pois tenho o maior respeito por toda a gente, e especialmente pelos travestis. O que me magoa é a minha irmã, sangue do meu sangue (e somos parecidas fisicamente, ainda por cima), ter levantado falsos testemunhos e mentiras em relação a mim junto dos meus pais. Dos pais dela. Ou seja, todo o respeito, carinho e quase idolatria que eu tinha por ela caíram por terra. Como se costuma dizer, os ídolos têm pés de barro.

E vou terminar dando apenas um pequeno relevo aos homens. Na minha família próxima são dois: o meu pai e o meu irmão (pai da minha sobrinha). Amo os dois, mas ainda mais do que a minha mãe ou irmã, ignoram-me. Para eles eu é como se não existisse. Dói-me. Nunca fui muito próxima nem de um nem de outro, mas fui criada com o meu irmão e partilhámos o mesmo espaço, o mesmo quarto, até aos 20 e poucos anos dele. Já tentei aproximações, mas nada resulta. Sou considerada lixo por ambos, e eles nem sequer entendem aquilo que sou. A minha essência. E como não entendem, evitam e ignoram. Nada posso fazer.

Quanto aos posts que publiquei aqui sobre os homens, volto a frisar que é a MINHA visão actual da MAIORIA deles. Não inclui, e referi-o, os meus amigos e mais um ou outro homem que eu considere diferente. Não sou bissexual, não sou lésbica, e não tenho ódio aos homens. Sou uma simples mulher Transexual heterossexual que teve azar com os homens que conheceu. E foi dessas experiências que eu falei. E se este blog serve para alguma coisa, é para eu dar largas ao que penso, e acima de tudo, ao que sinto.
Tenho quase quase 36 anos e estou sozinha. Confesso que afastei alguns potenciais bons candidatos. Porquê? Talvez por medo, talvez por insegurança, talvez por, como me dizia uma amiga, "ter medo de ser feliz".
Mas, no meio disto tudo, não perco a esperança de encontrar num qualquer local, o "meu" homem, o meu príncipe encantado.

Beijos confessionais de Lara

Com vocês, Madonna e o premiado vídeo "Jump":



sexta-feira, abril 06, 2007

Uma Páscoa Feliz


Para agradecer a tod@s @s leitor@s e amig@s, aqui ficam os meus mais sinceros desejos de uma Páscoa feliz, cheia de Paz, Amor e Felicidade.

Mil beijinhos da Lara-Coelhinha-da-Playboy-ops-quer-dizer-da-Páscoa