Lara's dreaming

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Portugal

Sou uma mulher transexual de Lisboa, Portugal, onde nasci e cresci. Neste espaço poderá encontrar pensamentos, reflexões e comentários inerentes à minha vida como mulher trans. Seja benvind@ ao meu cantinho.

segunda-feira, outubro 30, 2006

Canção...

Mais uma vez deixo-vos um poema de Cecília Meireles, a minha poetisa favorita. Este é muito especial para mim, por motivos passados e presentes. Emoções e sentimentos passados e presentes.

Serve também para avisar a navegação que farei uma pausa durante uns tempos daqui do blog, por motivos pessoais.

Para ilustrar repito o meu eterno favorito de Sade, "King of Sorrow". Até breve. Beijos da Lara.


"Pus o meu sonho num navio
e o navio em cima do mar;
- depois, abri o mar com as mãos,
para o meu sonho naufragar

Minhas mãos ainda estão molhadas
do azul das ondas entreabertas,
e a cor que escorre de meus dedos
colore as areias desertas.

O vento vem vindo de longe,
a noite se curva de frio;
debaixo da água vai morrendo
meu sonho, dentro de um navio...

Chorarei quanto for preciso,
para fazer com que o mar cresça,
e o meu navio chegue ao fundo
e o meu sonho desapareça.

Depois, tudo estará perfeito;
praia lisa, águas ordenadas,
meus olhos secos como pedras
e as minhas duas mãos quebradas.
"


sexta-feira, outubro 27, 2006

Brisas raras...

Fotografia de Pedro Azevedo

O sono tarda em chegar, e eu estou no quarto, numa fria noite de finais de Outubro, triste. A única coisa que me faz sentir um pouco melhor e aquece o meu coração é a presença da Edu, a minha melhor amiga. Oiço música, coisas antigas e mais recentes, assim como as recordações e pensamentos que assolam a minha mente.

Ultimamente a minha vida tem andado uma loucura, uma autêntica montanha-russa de sentimentos e emoções. Dúvidas e questões ponho-as todos os dias. Como todos os dias tenho certezas. Tenho a certeza de quem me ama e de quem eu amo. Mas falta-me a outra parte, aquela que eu reneguei já há tanto tempo, e que teima em me provocar pesadelos de noite. Pesadelos, erotismos, sonhos, universos oníricos, tudo junto numa só noite. Num só dia. Reneguei ou não? Eis a questão. Sou mais forte que a minha razão, ou a minha razão é mais forte que a minha emoção, ou a minha emoção é mais forte que a minha razão? É um círculo vicioso em que entra a pescadinha-de-rabo-na-boca.

Estou apaixonada. Enamorada. Que fazer? Ficamos sempre assim, parv@s quando nos encontramos neste estado. O futuro? Não sei, amanhã logo se verá...

Deixo-vos com o vídeo de "White Flag" de Dido, de quem gosto muito tanto como compositora, como poeta, como cantora. Suavidade, mas emoções e sentimentos fortes...

Beijos da Lara...


terça-feira, outubro 24, 2006

The End

Desilusão. É a única palavra que me surge agora, juntamente com raiva, por mais uma vez ter sido lograda por um homem egoísta, egocêntrico e que nem sequer fez um esforço para me conhecer.

Porque conhecer não é só por email, messenger e coisas que tais, males e bens (às vezes) vindos com os nossos tempos. Conhecer é olhar nos olhos, conversar, tocar, perceber o outro nas entrelinhas. Conhecer é entender sensibilidades. Conhecer é partilhar. Não é ser egoísta e oportunista.

Estou triste, muito triste, por mais uma vez ter caído no conto do vigário. E furiosa por ter repetido vezes sem conta a mim própria que não voltaria a acontecer. Aconteceu. A sorte é que eu consegui travar toda a situação a tempo, e os meus sentimentos não se desenvolveram mais.

O meu coração é dor.

Inté, e beijinhos da Lara.

The Corrs - "I never loved you anyway (VH1 97)"

domingo, outubro 22, 2006


O QUE ME IMPORTA
(Cury)

O que me importa seu carinho agora
Se é muito tarde para amar você
O que me importa se você me adora
Se já não há razão para lhe querer

O que me importa ver você sofrer assim
Se quando eu lhe quis você nem mesmo soube dar amor

O que me importa ver você chorando
Se tantas vezes eu chorei também
O que me importa sua voz chamando
Se pra você jamais eu fui alguém

O que me importa essa tristeza em seu olhar
Se o meu olhar tem mais tristezas pra chorar que o seu

O que me importa ver você tão triste
Se triste fui e você nem ligou
O que me importa seu carinho agora
Se para mim a vida terminou, terminou, terminou


Retirado de “memórias, crônicas e declarações de amor” de Marisa Monte

sábado, outubro 21, 2006

As Mulheres Mais Belas

Ser-se Mulher. Biológica ou Transexual. Essência feminina. Beleza Interior. Beleza essa que passa para o Exterior. Baseada naquilo que considero ser a verdadeira Beleza Feminina, deixo-vos aqui, em ordem puramente aleatória, aquelas cinco Mulheres que acho as mais Belas do Mundo.
E, no final, brindo-vos com um vídeo de uma canção cantada por uma delas, dedicada a tantas de nós, incompreendidas, maltratadas e espezinhadas por esse bicho chamado homem. Como se costuma dizer, não conseguimos viver com eles, nem passar sem eles.

Mil beijinhos da Lara.

AS CINCO MULHERES MAIS BELAS DO MUNDO

Andrea Corr


Angelina Jolie


Isabella Rossellini

Jennifer Love-Hewitt

Nicole Kidman

Com vocês: Jennifer Love-Hewitt - "Can I Go Now"


Retrato

Eu não tinha este rosto de hoje,
assim calmo, assim triste, assim magro,
nem estes olhos tão vazios,
nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração
que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
— Em que espelho ficou perdida
a minha face?


Poema de Cecília Meireles; vídeo: "Call Me When You're Sober" - Evanescence

sexta-feira, outubro 20, 2006

Tás A Ver

Bom fim-de-semana.

Mil beijinhos e um especial (as always) para Ti.

Com vocês, Gabriel o Pensador e Adriana Calcanhoto - "Tás A Ver"

quinta-feira, outubro 19, 2006

Enamoramento

derivação masc. sing. de enamorar

v. tr.,
tornar apaixonado, amoroso;
enlevar;
encantar;
enfeitiçar;

v. refl.,
apaixonar-se.

É curioso. Passado tanto tempo, encontro-me na derivação feminina singular de enamorar, ou seja, enamorada. Em estado de enamoramento. Confesso que é uma sensação estranha, sentir isto passado tanto tempo. Depois de tanta paixão falhada, no sentido de não ser correspondida, pode ser que esta me traga algum contentamento.

Passaram poucos homens pela minha pelos quais me sentisse assim. É uma sensação inebriante como os vapores do vinho do Porto. Não me sinto a mais feliz das mulheres (porque não o sou), nem a mais bela (porque, definitivamente, também não o sou). Mas sinto um certo bem-estar.

Sinto um certo conforto por ter a noção de que alguém pode sentir por mim o mesmo que eu sinto por ele. Já estivémos juntos algumas vezes e é sempre bom olhar dentro daqueles olhos profundos, vê-lo falar ou calar-se em relação ao que sente, observar enquanto acende uma cigarrilha. Ele não tem certezas quanto a mim, assim como eu também não as tenho quanto a ele. As únicas certezas que tenho são os abraços apertados que me dá e os beijos carinhosos, como uma brisa da maré-alta.

Não sei o que o futuro me reserva. Ou nos reserva. Mas nunca o esquecerei, nem que seja por estes bocadinhos de prazer e alegria que me deu. Pois uma coisa prometi há muito tempo a mim própria: que não ia voltar a chorar por um homem, fosse quem fosse. Assim sendo, dê certo ou dê errado, ficam as recordações e, quem sabe, uma amizade para a vida.

Beijos da Lara e um muito grande para Ti, meu piqueno.

Sade - "Nothing Can Come Between Us"

quarta-feira, outubro 18, 2006

Mulheres

A vida reserva-nos um pouco de tudo, desde maravilhas como ver um bebé nascer, a horrores como ver quem amamos morrer. Por isso, e aos 35 anos, já passei por estas experiências e, muito provavelmente, passarei ainda por muitas mais. Talvez por isso seja considerada louca pelos meus amigos e amigas, pois sempre quis morrer antes dos meus pais.

Talvez porque a dor da morte deles seria tão grande que eu não a suportaria. Felizmente ambos ainda cá estão, apesar da idade e das suas maleitas. No outro campo tenho um desejo enorme de ver a minha sobrinha Marta crescer e tornar-se Mulher em frente aos meus olhos. Acompanhá-la, acarinhá-la, ajudá-la, e tudo o mais que me possa lembrar. Afinal estava com o meu irmão Miguel quando ela saiu da sala de partos, num berço, tão linda, tão pequenina, tão indefesa.

O nascimento dela deu-me imensa força para enfrentar tanta coisa. Foi graças a ela que eu tive coragem para começar as consultas de Transexualidade no Hospital de Santa Maria. Deu-me ânimo ao longo destes longos seis anos de processo apenas saber que ela existia e que me amava. Assim como eu a amo, e acho que só daria a minha vida por ela e pela minha mãe. As duas referências da minha vida.

Vejo-a como a filha que não me foi permitido gerar. Como Mulher Transexual nunca poderia ter filhos, a não ser adoptando-os. E eu sempre fui exigente nesse aspecto: queria um pai para o(s) meu(s) bebé(s). Como nunca consegui reunir as condições exigidas, ou seja, nunca encontrei um homem que merecesse minimamente ser pai dos meus filhos e meu companheiro, como sobrevivo com o subsídio social de desemprego, ninguém (obviamente), me deixaria adoptar uma criança.

Mas essa criança já existe: a minha Martinha. Sei que sou louca, mas vejo-a, sinto-a como se fosse minha filha também. Apesar de nos termos afastado muito por culpa minha neste último ano. Mas eu amo-a. Como se ela também tivesse sido gerada no meu ventre. Lembro-me de sentir os pézinhos dela a bater na barrigona da minha querida cunhada, Raquel, aos oito meses de gravidez. A Raquel agarrou na minha mão, pousou-a sobre a barriga e disse-me calmamente "sente... está aos pontapés". Foi a minha primeira noção de Vida. De que comigo, contigo, com todos nós, foi assim. E desejei tanto ter também aquela criaturinha tão bela dentro de mim. Vida dentro de mim. Mas não. Sou seca. Não existe vida dentro de mim.

E este post é dedicado às três principais Mulheres da minha vida: a minha mãe, a minha Martinha e a minha cunhada Raquel, à qual agradeço eternamente tudo o que sempre fez por mim.

Adriana Calcanhoto - "Fico assim sem você"


terça-feira, outubro 17, 2006

Sorry...

"Je suis desolé
Lo siento
Ik ben droevig
Sono spiacente?
Perdóname!

I've heard it all before...
I don't wanna hear
I don't wanna know
Please don't say you're sorry
I've heard it all before
And I can take care of myself
I don't wanna hear
I don't wanna know
Please don't say forgive me
I've seen it all before
And I can't take it anymore

You're not half a man you think you are
Save your words because you've gone too far
Listen to your lies and to your stories
You're not half a man you like to be

I don't wanna hear
I don't wanna know
Please don't say you're sorry
I've heard it all before
And I can take care of myself
I don't wanna hear
I don't wanna know
Please don't say forgive me
I've seen it all before
And I can't take it anymore

Don't explain yourself cause talk is cheap
There's more important things than hear you speak
You stay because I made it so convenient
Don't explain yourself you'll never see

Sorry sorry sorry sorry...
I've heard it all before...

I don't wanna hear
I don't wanna know
Please don't say you're sorry
I've heard it all before
And I can take care of myself
I don't wanna hear
I don't wanna know
Please don't say forgive me
I've seen it all before
And I can't take it anymore

Don't explain yourself cause talk is cheap
There's more important than hear you speak

I've heard it all before..."

Madonna - "Sorry"

sexta-feira, outubro 13, 2006

A new beginning...

Estou numa fase má, como, aliás, acontece com toda a gente. Para quem pensava que eu não voltava mesmo, desta vez, aqui estou. Não diria novinha em folha, mas antes a fazer um esforço para me aguentar contra as adversidades desta minha vida. Deste meu fado, como portuguesa que se preze.

Sinto-me revoltada com tudo e com (quase) todos. Fazem-me, e faço-me, sentir culpada daquilo que não tenho culpa, e todos os dias o estigma da minha transexualidade vem ao de cima. Não que me sinta olhada de forma muito diferente das outras mulheres. Mas são essas nuances nos olhares, as pequenas bocas, os esgares, que me fazem sentir não pertencer aqui. Pertencer a um outro mundo.

Esta é uma nova tentativa de um recomeço. Na minha vida, e graças aos meus amigos e amigas que se têm mantido a meu lado. E à minha mãe que, à forma dela, me dá apoio e carinho.

E como estou revoltada com tudo, decidi hoje colocar uma canção cantada por duas senhoras que não precisam de apresentação: Britney Spears e Madonna. Também porque foi, finalmente com esta canção, que Madonna apadrinhou definitivamente Britney, que sempre a considerou o seu ídolo e ícone nas entrevistas. Olha, darlings, também eu!

Com vocês, Britney Spears e Madonna - "Me Against the Music"


quarta-feira, outubro 11, 2006

C'est fini...

Bem, meus e minhas querid@s leitor@s, estas são as minhas últimas palavras neste blog.

Obrigada pelo carinho, amizade e força que sempre me deram.

Deixo-vos com uma canção muito especial para mim e um vídeo fantástico.

Mil beijinhos para tod@s,

Lara-A-Falecida


Moloko - "Forever More"

terça-feira, outubro 10, 2006

Gajos??? Bah!

Já é tarde e confesso que passei parte do dia a dormir para recuperar da terrível constipação que me assolou. Entretanto falei com a minha mãe ao telemóvel (como todos os dias, ou quase), fui a Lisboa ao médico e jantar.

Foi um dia sem grandes novidades, aliás como em geral, a não ser um email de um homem, que eu vi ainda antes de sair de casa, o qual me deixou abismada. Abismada, parva e fula. Um homem que não me conhece pessoalmente, que cortou contacto comigo (desapareceu) há mais de um ano e muito, de repente escreve-me, despedindo-se com "xodades"???

Isto, infelizmente, leva-me aquela velha conversa de sempre, e que quem vem aqui e acompanhou os outros blogs sabe: eu tenho tudo menos sorte com os homens. Pura e simplesmente porque cerca de 99 por cento (pelas minhas modestas contas) não prestam. São uns porcos, são egoístas até à décima última casa, têm tudo menos sensibilidade, e, coitados, por terem duas cabecitas, tendem a pensar mais com a de baixo do que com a de cima.


Triste. E para aqueles que pensam que me decidi tornar celibatária porque me deu um "vaipe" na carola, vêem que não se tratou de nada disso. Como posso ter um relacionamento estável com lixo? Como posso conversar de uma forma inteligente e sensível com um homem comum? Como posso criar laços de intimidade e amizade com um gajo que só pensa em me saltar para a espinha? Aí está: impossível.

Por outro lado, dou graças a ter poucos mas muito bons amigos, com todo o tipo de preferências sexuais, o que me mostra que afinal o sexo fraco (eles) ainda tem bons espécimes. Mas como são muitooo raros, e não me apetece andar a saltar de cama em cama com tlovers, decidi ficar tal e qual como estou: sozinha.

Desculpem-me o desabafo, mas deve ser também um efeito da hiper sensibilidade criada pela constipação.

As always, aqui vos deixo mais um vídeo da minha diva principal: Sade Adu e a sua banda, seguido de uma curiosidade, uma versão do mesmo tema pelas irmãs Les Nubians.


Sade - "The Sweetest Taboo (live)"



Les Nubians ft Black Thought of the Roots - "Tabou"

domingo, outubro 08, 2006

Lonely...

O dia já nasceu, mas ainda sinto os efeitos da Lua Cheia. Não sei bem porquê, talvez por ela estar posicionada em Carneiro (fogo) na minha Carta Astral, mexe comigo toda, inclusive com a libido. E é terrível, não me dá tréguas! Durante a semana em que a Lua se encontra nesta posição, ando literalmente a trepar pelas paredes... Mas o tratamento hormonal, e, especialmente, o anti-andrógeneo fazem milagres e lá atenuam a coisa.

No meio destas coisas da libido vem ainda por cima uma constipação daquelas. Logo, estou um pouco debilitada fisica e psicologicamente. Por um lado o facto de não conseguir atinar definitivamente com um relacionamento amoroso, por outro lado aquilo que o meu corpo pede, por fim fazer o que a minha mente e razão querem.

E, para me alegrar e alegrar as meninas e (alguns) meninos que aqui vêm ler os posts e ver os vídeos, aqui vos deixo uma canção de que muito gosto, magistralmente cantada por um dos dois homens que me levaria, sem dúvida, ao altar! (Aqui entre nós, o outro é o belíssimo Keanu Reeves).

Convosco, o l-i-n-d-o Rob Thomas com "Lonely No More"


domingo, outubro 01, 2006

Sick and tired...

Este post é uma continuação de "Un año de amor". Existe uma forte ligação e quem vir o vídeo-clip que o ilustra vai perceber.

É também uma homenagem a todas as mulheres que são vítimas de cancro da mama. Não foi por acaso que escolhi Anastasia. Ela passou pelo drama, tanto como milhões de mulheres em todo o mundo. E, pelos últimos dados, cerca de sete mulheres descobrem todos os dias em Portugal que o têm. É a essas verdadeiras heroínas que dedico especialmente este post.

Porque, sem Amor, elas nunca conseguiriam atravessar esse deserto.

Com muito respeito e muito Amor, Anastasia em "Sick and tired":


Un año de amor

Mais uma noite. Mais um relacionamento que não deu certo. Não deu certo na parte amorosa, que para mim nunca foi o fulcro nem o mais importante. Ele era e é, acima de tudo, um amigo. Lamento esta situação mais que tudo, devo-lhe muito. Mas nunca fui apaixonada por ele, logo nunca o poderia amar. E eu soube sempre que nunca poderia resultar em algo mais que uma boa amizade.

E ontem à noite, sozinha aqui no meu quartinho apercebi-me o quanto ainda amo o meu único namorado (quase) a sério, Jorge. O tempo passa e eu não o consigo esquecer. A saudade é muita, e, por vezes, impossível de suportar. As lágrimas correm-me pelo rosto abaixo, como se o sangue que me jorra do coração escorresse por elas.

Mas já decidi o que fazer quanto a esta situação. Vou, finalmente, deixá-lo ir. Viver a sua vida sem qualquer contacto comigo. Deixá-lo ser feliz. É o que acho que quem ama faz: liberta o outro para que encontre a sua felicidade, seja consigo, seja com outra pessoa.

Termino este post com um clip de "Saltos Altos" de Pedro Almodóvar, em que o fantástico Miguel Bosé faz um número ao som de Luz Casal com o tema "Un año de amor".


Bom fim-de-semana. Lara.

Un Año de Amor

Miguel Bosé en su mejor actuación. En la pelicula de Almodóvar "Tacones Lejanos" hace un PlayBack de la canción de Mina "Un año de amor" cantada por Luz Casal.