Lara's dreaming

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Portugal

Sou uma mulher transexual de Lisboa, Portugal, onde nasci e cresci. Neste espaço poderá encontrar pensamentos, reflexões e comentários inerentes à minha vida como mulher trans. Seja benvind@ ao meu cantinho.

quinta-feira, maio 29, 2008

Madonna: 'Sticky & Sweet' Tour afinal passa por Portugal

75 mil bilhetes para o concerto de 14 de setembro são postos à venda no próximo sábado
Fãs correm por Madonna
A digressão de Madonna, que passa por Lisboa a 14 de Setembro, no Parque da Bela Vista, está a despertar um apetite voraz nos fãs. Em Paris, a procura de bilhetes foi tão elevada que levou a cantora a acrescentar uma segunda data, a 21 de Setembro. Mas a capital francesa não foi caso único. Em Zurique, Suíça, os 70 mil bilhetes postos à venda foram vendidos em tempo recorde, tal como aconteceu em Vancouver (Canadá), onde os 50 mil ingressos disponibilizados voaram em 29 minutos.

Em Portugal, os 75 mil bilhetes são colocados à venda apenas no sábado, mas ontem alguns fãs já rondaram os locais de venda. Na agência ABEP dos Restauradores, em Lisboa, fonte local disse ao CM que ontem já houve fãs que ali se dirigiram tentando saber se os bilhetes estavam à venda.

O concerto de Madonna será o segundo em Portugal, depois da sua estreia no Pavilhão Atlântico, em 2004.

Fonte: Jornal "Correio da Manhã"

terça-feira, maio 27, 2008

Madonna: digressão e separação

Pois é. A rainha da pop anda nas bocas do mundo para não variar. Enquanto o seu mais recente álbum "Hard Candy" se mantém forte nos tops de vendas mundiais, ela anuncia uma nova digressão e algo que já não é novidade para ninguém: o seu divórcio do realizador Guy Ritchie.

Aqui ficam as respectivas notícias, retiradas do jornal "Correio da Manhã".

Portugal de fora
Madonna inicia a 23 de Agosto, em Cardiff (Reino Unido) a sua digressão mundial que, até à data, não contempla qualquer data em Portugal. A ‘Sticky & Sweet Tour’ serve de promoção ao novo disco, ‘Hard Candy’, que lidera os tops de discos de 27 países, Portugal incluído. No decurso da digressão, Madonna actua a 11 de Setembro, no estádio de Wembley, Londres.

Madonna e Ritchie separados
Madonna e Guy Ritchie colocaram um ponto final no casamento que durou sete anos. A diva da pop e os três filhos Lourdes Maria, Rocco e David Banda já estarão de malas prontas para Nova Iorque, onde a cantora tem uma luxuosa penthouse em Manhattan.
Segundo o jornal britânico ‘Daily Mail’, os hábitos de Ritchie – que a trata com indiferença em público, bebe demais e passa pouco tempo com ela e as crianças – foram decisivos para o divórcio, que foi alcançado de forma amigável. A aparição conjunta no último Festival de Cannes ocorreu como parte de um acordo – o casal esteve presente na última quarta-feira no lançamento do documentário ‘I am because you are’, da autoria da cantora norte-americana.

domingo, maio 25, 2008

Nip/Tuck - A transfobia continua!


Apesar de não acompanhar regularmente a famosa série Nip/Tuck, de vez em quando vejo alguns episódios, principalmente quando a Fox Life decide transmitir os "3 em 1". Confesso que, apesar de "estranha" a nível de argumentos, já para não falar do sensacionalismo das imagens de cirurgias estéticas e de sexo desenfreado entre toda a gente com toda a gente (esmagadoramente hetero, bem entendido), o que mais me chocou foi a forma leviana, preconceituosa e totalmente transfóbica como a personagem "Ava" (interpretada pela actriz Famke Janssen) apareceu.

Linha mulher fatal, Ava faz sexo com todos, incluindo o próprio "filho", tem ares de superior e de psicopata, e toda a gente "descobre" que afinal ela (Ava, transexual operada) é um ele. Além destes predicados, é apresentada como uma mulher sem escrúpulos nem sentimentos, e cuja "causa" da sua transexualidade é explicada do seguinte modo: Ava era um homem gay que se apaixonou perdidamente por um médico cirurgião plástico. O problema é que o pobre médico era hetero. Então, num acesso de luminosidade interior, decide fazer a cirurgia de redesignação para poder ficar com o seu amor. (Deve ter sido desta série que os iranianos foram buscar as suas teorias).

Como se não bastasse, o filho de um dos cirurgiões, que tinha passado pela cama de Ava, vai a um bar transgénero no qual conhece uma jovem trans. As coisas evoluem, e eles acabam na cama... Oh, tragédia!!! Ele (ingénuo, tadinho) descobre que, afinal, a mulher transexual que estava na cama com ele NÃO era operada!!! Vai daí, prega-lhe uma carga de porrada, além de a tratar com "mimos" verbais tipo "não passas de um homem de mamas", "mentiste-me", "não sou gay" (ridículo no mínimo...), etc, etc, etc.

Claro que a desgraçada, que ficou toda negra, decidiu convidar umas amigas para verem o espécime que lhe tinha feito aquilo. O resto já se sabe, batem no menino de tal forma que os pais (Nip e Tuck. Não não se trata de homoparentalidade, um é pai biológico e outro é pai adoptivo) são obrigados a operá-lo para lhe reconstruírem a face. No meio disto tudo, a transexual é sempre um gajo. Sempre. Tal como Ava, que desde que teve o azar de ir para a cama com um dos cirurgiões, foi sempre tratada no masculino. Claro que cirurgiões deste tipo nem precisam de penetrar para descobrirem a "marosca". Quando a ia penetrar, viu logo que era uma neovagina e tudo.

E com todo este "manancial" de totais disparates, estereótipos, preconceitos e transfobia interiorizada, esta série de fama mundial poderia fazer o que não faz: educar, explicar, lutar contra o preconceito. Não é caindo em argumentos fáceis e estupidamente sensacionalistas que se luta, ou se ensina, ou se explica. Os argumentistas e produtores desta série tinham obrigação de se informar convenientemente e não ridicularizar situações complicadas já de natureza, e, acima de tudo, muito sérias.

É sempre chique ter uns/umas "freaks" numa série televisiva, mais ainda quando a transexualidade está na moda, agora reforçar preconceitos e "gozar" com pessoas, seres humanos, não!

Sendo assim, Nip/Tuck é tudo menos um exemplo seja para quem for. Nem sequer lhe posso chamar entretenimento, pois não me "entretém". É vulgar, banal, vazia de conteúdo, e, pior ainda, reforça a ideia e o esterótipo de que o que importa realmente é como parecemos, não como somos. Out para mim.

Aproveito, no final deste post, para vos informar, car@s leitores, que, a partir de hoje, a Eduarda Santos irá participar em alguns textos que lerão por aqui, como foi o caso deste. Thanks amiga!

E, como vem sendo hábito, deixo-vos com um clip da minha musa. Enjoy.

Madonna - "Music Inferno" - Confessions Tour

domingo, maio 11, 2008

Filipa escreve um romance

MANEQUIM VAI LANÇAR OBRA EM NOVEMBRO - “Vai ser um livro SURPREENDENTE”
A filha de Nené não quer adiantar muito sobre a primeira aventura no mundo literário para manter o suspense.

Filipa Gonçalves vai lançar um livro em Novembro (Global Notícias, sexta-feira, 9 de Maio de 2008)
As atenções de Filipa Gonçalves estão concentradas na edição de um livro escrito pela própria manequim. Sobre a primeira aventura no mundo literário, a filha de Nené ainda não quis revelar muitos pormenores, para manter o suspense até à data de lançamento, que deverá ser em Novembro.
"Vai ser um livro surpreendente. Vão poder conhecer uma Filipa Gonçalves diferente, porque há mais que uma imagem. Quando lerem o livro vão ficar a conhecer-me melhor", assegurou ao 24 Horas. Filipa, apesar de ter guardado o projecto no segredo dos deuses, não resistiu a contar que o livro vai ser um romance: "vai ser um romance verdadeiro, onde falo do amor da minha vida".

segunda-feira, maio 05, 2008

Sweet Candy


Tenho que reconhecer que, mais uma vez, Madonna me surpreendeu. Ao contrário do primeiro single do novíssimo "Hard Candy", "4 Minutes" com Justin Timberlake, o álbum em si é mais uma reinvenção da sempre inigualável rainha da pop.
Misturando ritmos de hip-hop, R&B, pop e muito funk, Madonna faz juz ao seu nome e à criteriosa escolha de com quem trabalha e como. Faixas bastante dançáveis, que fazem todo o sentido depois de "Confessions on a Dancefloor", mas abrangendo uma panóplia de sons que não só nos fazem revisitar antigos trabalhos da cantora, como nos encantam pela simplicidade.
As influências são óbvias, como a própria Madonna referiu em entrevista. Trabalhou e compôs com os músicos que ouve no momento.
No entanto, na minha modesta opinião, "4 Minutes" não foi um bom lançamento para o álbum. Penso que aqui a máquina de propaganda e marketing da rainha da pop falhou, além de que considero que esta faixa é a mais fraca de "Hard Candy". De tal forma o single não pegou, que no próprio You Tube, "4 Minutes" aparecia como uma canção de Justin Timberlake com a participação de Madonna!!!
De qualquer das formas, resta-me dar novamente os parabéns a esta senhora quase cinquentona, que mete muitas miúdas de 20 num chinelo!

E, para não repetir novamente aqui a postagem de "4 Minutes", único vídeoclip disponível por agora, deixo-vos com um "Jump" ao vivo na "Confessions Tour".

Enjoy.