Lara's dreaming

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa, Portugal

Sou uma mulher transexual de Lisboa, Portugal, onde nasci e cresci. Neste espaço poderá encontrar pensamentos, reflexões e comentários inerentes à minha vida como mulher trans. Seja benvind@ ao meu cantinho.

terça-feira, novembro 27, 2007

Este Post É Dedicado a Homens...

Caraças. A Lua Cheia já passou. Aquela altura em que a maioria das pessoas anda mais propensa a uma líbido extremada, foi-se. Mas não faz mal, este post continua a fazer todo o sentido.

Sim, porque depois de vários posts em que "casquei" nos homens, achei por bem fazer um, agora, dedicado a eles. Afinal, são eles os pais dos filhos, os trabalhadores, os que levam o dinheiro para casa e se sentam no sofá de pantufas a ler o jornal.


E que forma mais especial teria eu de fazer um post dedicado aos homens sem ser através das sempre actuais pin-ups? Pois é isso mesmo. Não há quarto de adolescente em que, junto aos posters dos Morangos com Açúcar não estejam umas fotos de umas "gajas boas" para se masturbarem nas noites em que não conseguem queca.

Tal como nas prisões dos filmes e séries. Os prisioneiros têm sempre as celas cheias de páginas de revistas masculinas com as últimas e fantásticas pin-ups. Curiosamente, os quartos das meninas adolescentes têm posters dos Morangos e etc, mas apenas alguns de uns manequins ou actores bastante jeitosos, mas nunca nús... Porque será?

Tal como a outra dizia, não podemos viver com eles, nem viver sem eles.

E, como temos esta atracção, aqui deixo em clip um vídeo de um "ícone" masculino de há uns anos atrás, mas sempre actual: a Tiazinha!

Divirtam-se criaturas que adoram espalhar a sementinha!

Beijufas da Lara Condescente Com Os Homens


"Uh! Tiazinha" - Vinny

quinta-feira, novembro 22, 2007

PANTERAS ROSA APOIAM CERVEJA TAGUS


O movimento Panteras Rosa apoia a campanha da cerveja TAGUS para a juventude hetero, lançada hoje em http://www.orgulhohetero.com/ .
Aqui lançamos uma campanha paralela de complemento à mesma, com um apelo à imaginação.

Para usar e difundir!

Criem novos temas, publicaremos on-line os que nos forem enviados:

panteras.lisboa@gmail.com



DESENVOLVIMENTO EM

http://www.orgulhohetero.org/

http://www.orgulhohetero.net/



ORGULHO LÉSBICO, GAY, BI, TRANS, QUEER
Orgulho de Quê?


Nós, lésbicas, gays, bisexuais, transgéneros (LGBT) e outr@s rebeldes sexuais, temos orgulho de enfrentar as consequências de não escondermos a nossa identidade sexual ou de género. Temos orgulho de termos sobrevivido à nossa orientação sexual ou identidade de género fora da norma numa sociedade que nos condena ao silêncio e à vergonha (muit@s não sobreviveram). Nas nossas marchas, celebramos o orgulho de quem recusa a carga moral de culpabilidade que nos é imposta, quando seria tão fácil continuarmos a esconder os nossos desejos e apenas fingirmos “ser normais”.


Não estamos orgulhosos da nossa orientação sexual, deixamos isso – e quaisquer definições de “normalidade” – para heterossexuais homófobos. Temos orgulho, sim, de escolhermos vivê-la, mesmo quando isso faz de nós alvos de discriminação e violência. Temos orgulho por oposição à vergonha. Temos orgulho nas lutas de longo prazo que tant@s travaram e travam contra a criminalização ou medicalização das nossas identidades e pela construção árdua dos nossos movimentos sociais.


Temos orgulho na força, no esforço, nos sacrifícios que tantas pessoas LGBT assumiram ao longo da História para sair do armário e exigir dignidade. Temos orgulho na imensa variedade das nossas expressões e formas de expressão. O orgulho LGBT é necessário como o “black is beautiful” foi necessário nos anos 60 norte-americanos: como então, muit@s de nós continuamos a sentir culpa, vergonha e auto-depreciação por aquilo que somos. Sem orgulho, as novas gerações LGBT em tantos países estariam condenadas à mesma existência clandestina que os seus predecessores combateram. No processo da sua auto-descoberta, muitas gerações têm tido, pela primeira vez, a possibilidade de crescerem como LGBT com referências positivas do que isso significa, e com menos referências negativas.


Nenhum outro motivo senão Orgulho motivou as históricas revoltas de Gene Compton’s Cafeteria em 1966 e quase três anos depois a de Stonewall - na origem do actual movimento LGBT -, quando o desejo de dignidade se traduziu em resistência à violência policial. Quando a nossa vida pessoal condiciona os nossos direitos cívicos, deixa de ser “privada” e torna-se “política”. E precisamos de ser visíveis hoje para que amanhã não tenhamos necessidade disso, quando as pessoas deixarem de ser definidas com base na sua identidade sexual ou de género.


“Dar a cara” continua, infelizmente, a ter consequências negativas. Mas é mesmo por isso que é preciso que cada vez mais gente saia do armário ou, pelo menos, se envolva com o associativismo LGBT: para inverter essa situação injusta. Para que um dia “dar a cara” seja tão natural como lavar os dentes e seja tão banal que não acarrete discriminação.




A homofobia é um sistema político na sociedade que temos.
Orgulho e activismo, armas contra a violência homofóbica e transfóbica e a sua promoção!





ORGULHO É PROTESTO!

terça-feira, novembro 20, 2007

Transgender Children - Imprescindível

Transgender Children - ABC



Transgender Children [Part 1/3]
Colocado por alexiahm



Transgender Children [Part 2/3]
Colocado por alexiahm




Transgender Children [Part 3/3]
Colocado por alexiahm

domingo, novembro 04, 2007

Uma coisa de pele...

Têm sido uns dias difíceis. A minha primeira cirurgia após o término do processo vai finalmente ser realizada, e todos os meus medos vieram ao de cima.

Isso, mais a falta de dinheiro, pois nem pude ainda procurar trabalho por causa do pós-operatório, que me faz estar constantemente preocupada com contas para pagar, medicamentos para comprar, dívidas para saldar e por aí fora.

Para agravar tudo isto, os fantasmas do passado teimam em não me deixar em paz. Ainda ontem o Jorge de Odivelas me mandou uma sms, à qual não pude responder, pois não tenho sequer saldo no telemóvel.

Queria tanto saber como ele está, se a vida lhe corre bem, por mais que me custe, se ele está a namorar, se vai ser pai, sei lá, coisas que me passam pela cabeça. Mas, por mais que o tempo passe, não o consigo esquecer. É algo de pele, mais forte que eu. Passaram tantos anos e ele continua tão presente... Já não sei o que fazer.

Tenho que me concentrar no presente. Na cirurgia. Que vai correr tudo bem, que vou ter um pós-operatório porreiro, sem muitas dores, enfim, que vou conseguir depois pôr os pés à estrada e ir em busca de um emprego.

Ai, saudades de ti... Saudades de mim...